Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ciência e P&D

Autobronzeadores: uma nova substância pode ajudar a pele a produzir melanina sem raios UV

Após mais de dez anos de trabalho, uma equipe de pesquisadores da Harvard Medical School conseguiu desenvolver uma molécula capaz de penetrar na pele humana e torná-la mais escura sem necessidade de exposição aos raios ultravioleta do sol – evitando, assim, o risco de câncer de pele. Contrariamente aos cremes autobronzeadores tradicionais, cuja ação se limita à camada superficial da pele, a nova substância estimula as células que produzem melanina, pigmentos responsáveis por absorver os raios ultravioleta. A molécula ainda deve ser submetida a testes pré-clínicos, a fim de comprovar sua inocuidade para o ser humano.

Cansado de bronzear como um camarão? Uma equipe de pesquisadores descobriu (...)

Cansado de bronzear como um camarão? Uma equipe de pesquisadores descobriu uma substância capaz de penetrar na pele humana e torná-la mais escura sem necessidade de exposição aos raios ultravioleta do sol. © Olivier Bellin / Istock.com

Estudos epidemiológicos mostram que os indivíduos com pele clara e/ou com dificuldade para bronzear são também os mais propensos a desenvolver câncer de pele, doença relativamente rara em indivíduos com pele mais escura. Os autores do estudo, publicado na revista americana Cell Reports [1], consideram, portanto, que o desenvolvimento de uma substância capaz de estimular a produção de melanina pode constituir um avanço significativo na luta contra o câncer de pele.

A substância apresentada pela equipe da Harvard Medical School é uma molécula de pequena dimensão, desenvolvida para inibir as proteínas quinases SIK (Salt-inducible kinase), que contribuem para a regulação da produção de melanina no homem.

Aplicada como um creme, a substância escureceu a epiderme de camundongos com pelo ruivo que, como os humanos de pele clara, estão mais propensos a desenvolver câncer de pele quando expostos a raios ultravioleta. A pesquisa sucede a um estudo publicado na Nature, revista científica britânica, em 2006. Na época, o estudo mostrou que uma outra substância, a forskolin, produzida por uma planta de origem indiana denominada Coleus, era capaz de induzir o escurecimento da pele de camundongos ruivos sem que eles fossem expostos a raios ultravioleta. Pouco tempo depois, porém, os cientistas descobriram que essa molécula era incapaz de penetrar na pele humana.

Testes com amostras de pele

Como não é protegida por uma camada espessa de pelos, a epiderme humana precisou evoluir ao longo do tempo, desenvolvendo mecanismos de proteção contra fatores como frio, calor e raios ultravioleta provenientes do sol. "A pele humana forma uma barreira formidável, muito difícil de penetrar", explica um dos autores dessa descoberta, o Dr. David Fisher, chefe do serviço de Dermatologia do hospital Massachusetts General e professor da Harvard Medical School, nos Estados Unidos. "Dez anos após o estudo publicado na Nature, encontramos uma solução baseada em uma outra classe de moléculas. Por serem menores, são capazes de passar através dos lipídios, direcionando sua ação para uma outra enzima que age no mesmo mecanismo genético envolvido na pigmentação da pele", explica o pesquisador.

Os cientistas testaram as moléculas com amostras de pele humana em ambiente de laboratório e constataram que escureciam, em maior ou menor grau, em função da dose da substância e da frequência de aplicação. O bronzeamento artificial durou vários dias.

"A importância desse estudo reside no potencial de ser, futuramente, a base para uma nova estratégia de proteção cutânea e de prevenção contra o câncer de pele", avalia o Dr. Fisher. "Sendo o órgão mais extenso do corpo, a pele, na maioria das vezes, desenvolve câncer devido à exposição aos raios ultravioleta", conclui.

V.G., com AFP/Relaxnews
(Tradução: Maria Marques)

Observações

[1A UV-Independent Topical Small-Molecule Approach for Melanin Production in Human Skin”, Nisma Mujahid, Yanke Liang, Ryo Murakami, Hwan Geun Choi, Allison S. Dobry, Jinhua Wang, Yusuke Suita, Qing Yu Weng, Jennifer Allouche, Lajos V. Kemeny, Andrea L. Hermann, Elisabeth M. Roider, Nathanael S. Gray, David E. Fisher, Cell Reports, Volume 19, Issue 11, p2177–2184, 13 June 2017

© 2017 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
Alternativas ecológicas para microesferas de plásticos

Lipotec
Alternativas ecológicas para microesferas de plásticos

A sustentabilidade tornou-se uma grande preocupação nos tempos atuais. Os consumidores têm buscado produtos com ingredientes que não agridem o meio ambiente, visando diminuir os impactos causados. Na indústria de produtos voltados para cuidados com a pele, as microesferas de plástico, utilizadas ao longo da história em esfoliantes para a (...)

+ informações

Seções